Reforma da Previdência: acumular Aposentadoria e Pensão

Veja como ficam as regras de acumulação entre aposentadorias e pensões com a reforma da Previdência 2019

5

Acumular Aposentadoria e Pensão na reforma da Previdência: como vai ficar?

Muitos segurados do INSS atualmente acumulam o benefício da aposentadoria com o de pensão por morte do cônjuge ou de quem eram dependentes.

Isso acontece porque hoje não existe nenhuma restrição quanto a acumulação desses benefícios, receber tanto a aposentadoria quanto a pensão não infringe nenhuma regra do INSS.

Com a reforma da previdência, no entanto, esse cenário será diferente. Confira agora tudo que você precisa saber sobre Acumulação de  Aposentadoria e Pensão na reforma da Previdência.

Como funciona o acumulo hoje

Atualmente o INSS permite que um benefício de pensão por morte seja acumulado com uma aposentadoria por tempo de contribuição, idade ou por invalidez.

Logo, se uma viúva, por exemplo, já recebe a pensão por morte do marido, ela poderá receber uma aposentadoria por invalidez ou qualquer outra aposentadoria sem nenhum problema.

O valor dos dois benefícios é recebido de forma integral.

Outros benefícios não podem ser acumulados da mesma forma. Os principais benefícios não acumuláveis são:

  • Aposentadoria com auxílio-doença;
  • Salário-maternidade com auxílio-doença;
  • Salário-maternidade com aposentadoria por invalidez;
  • Auxílio-reclusão, pago aos dependentes, com auxílio-doença, aposentadoria, abono de permanência em serviço ou salário-maternidade do mesmo instituidor que se encontra preso;
  • Benefícios assistencial (Benefício de Prestação Continuada – BPC-LOAS) com benefício da Previdência Social ou de qualquer outro regime previdenciário.
Acumular pensão com aposentadoria reforma da previdência
A acumulação de Aposentadoria e Pensão por morte vai ter limitações com a reforma da Previdência

Acumulação de benefícios: como ficará após a reforma?

A proposta de reforma da previdência prevê alterações na forma como os acúmulos acontecem hoje.

Na nova previdência não será mais possível acumular de forma integral a aposentadoria com a pensão por morte.

O beneficiário poderá escolher por receber o benefício de maior valor entre a aposentadoria e a pensão. O benefício de menor valor será pago de forma parcial, de acordo com o valor, da seguinte maneira:

  • Até 1 salário mínimo: 80% do valor do benefício;
  • Entre 1 e 2 salários: 60% do valor do benefício;
  • Entre 2 e 3 salários: 40% do valor do benefício;
  • Entre 3 e 4 salários: 20% do valor do benefício;
  • Acima de 4 salários: não será permitida a acumulação.

Num exemplo prático, uma viúva que tenha direito a uma pensão de R$ 1000,00 e uma aposentadoria de R$ 2000,00

A aposentadoria será paga de maneira integral, pois é o benefício de maior valor.

Já a pensão, que está na faixa de 1 a 2 salários, será paga com o percentual de 60%, que equivale a 600 reais.

Assim, o valor total de benefícios recebidos no mês será de R$ 2.600,00.

Acumulo no caso de morte por acidente de trabalho

O governo abriu uma exceção para a regra de proporcionalidade.

As pensões pagas por morte por acidente de trabalho e por doenças causadas pelo ambiente de trabalho serão mantidas de maneira integral

Se, no exemplo acima, a pensão devida à viúva for por acidente de trabalho, ela acumularia ambos os benefícios de maneira integral, recebendo R$ 3000,00 por mês.

Acumulo de benefícios dos servidores públicos

Os servidores públicos, que são filiados ao Regime Próprio de Previdência, possuem uma regra especifica de acúmulo, que é a possibilidade de receberem duas aposentadorias.

Isso acontece porque a legislação prevê que algumas categorias de trabalhadores podem ter dois empregos públicos ao mesmo tempo. As atividades que admitem esse acumulo são:

  • Dois cargos de professor;
  • Um cargo de professor com um cargo técnico cientifico;
  • Dois cargos ou empregos privativos para profissionais de saúde com profissões regulamentadas, como médicos e enfermeiros.

Como os profissionais são liberados para manter os dois empregos, desde que os horários sejam compatíveis, eles possuem o direito de receber duas aposentadorias.

Esse tipo de acumulo não foi modificado pela proposta de reforma da previdência, e por isso os servidores manterão a possibilidade de receber dois benefícios.

Acumulo de aposentadoria como servidor público e privado.

Muitas vezes os profissionais que acumulam dois empregos, com a autorização da lei, não têm dois empregos públicos.

Um professor, por exemplo, pode dar aulas numa escola particular em um período e numa escola pública em outra.

Neste caso, o trabalhador também tem direito a duas aposentadorias, uma paga pelo Regime Geral de Previdência Social – INSS, e uma paga pelo Regime Próprio de Previdência Social, que é o regime dos funcionários público.

Este acumulo também é permitido pela legislação e não será alterado.

Porque a acumulação será modificada na reforma da previdência?

A reforma da previdência tem como intenção reduzir os gastos do governo com os pagamentos do INSS, para tornar o sistema previdenciário sustentável a longo prazo.

O Brasil está gradativamente envelhecendo, devido ao aumento da expectativa de vida e da baixa natalidade.

Logo, as contribuições feitas ao INSS pelos jovens e adultos não são suficientes para pagar todas as aposentadorias e pensões.

Com a reforma, o INSS será capaz de honrar os compromissos com os aposentados no futuro e sair do déficit.

Hoje o valor arrecadado, segundo o governo, já não é suficiente para pagar todos os benefícios.

Atualmente, um terço dos pensionistas também acumulam uma aposentadoria. Isso custa ao governo 64 bilhões de reais por ano.

O governo alega que o corte ajudará a manter as contas da previdência equilibradas.

Acumulação de aposentadoria com pensão
Quema já acumula pensão e aposentadoria não deverá ser atingido pelas modificações

Quem já tem o benefício será atingido?

Quem já acumula a pensão com a aposentadoria não terá alterações no benefício. Os benefícios previdenciários são direitos adquiridos que não podem ser modificados por legislações futuras.

Como informamos aqui, acumular aposentadoria e pensão na reforma da previdência será mais difícil e em alguns casos, não será mais possível.

Para ser aprovada, a reforma ainda precisa passar pela análise da câmara e do senado federal. Nestas análises, partes do texto podem ser alteradas, por isso, mantenha-se sempre atualizado sobre as novidades sobre o tema.

5 Comentários
  1. Monique Diz

    Boa tarde. Minha mãe recebe pensão por morte (vitalicia) desde 2002 e ainda faltam dois anos pra ela se aposentar. Quando ela for se aposentar, corre o risco de perder ou diminuir o valor da pensão? Ela vai entrar na nova regra de acumulação?

  2. Eliana Ferreira de souza Diz

    Minha filha tem 14 anos o pai faleceu dei entrada na pensão dela foi negado não sei se ele contribuía com nss mas pagava pensão por ordem judiciária eu não tenho emprego o que faço alguém pode me ajudar?

  3. marcelo Diz

    boa noite minha mãe sempre recebeu duas pensões agora o rio previdência cortou falando que esta irregular sera que e verdade? ela recebe uma pensão especial do pai dela falecido pelo rio previdência e outra pela morte do meu pai pelo inss no qual não eram casados mais viveram mais de 25 anos e tem um filho que sou eu!!!! alguem me da um help

    1. Benjamin Francisco Diz

      Marcelo,
      Para casos concretos, sobretudo com essas complexidades, apenas um advogado previdenciário poderá lhe auxiliar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação. AceitarMais Informações