Advogado Previdenciário: Dicas para contratar um

Se você precisa contratar um advogado previdenciário para resolver qualquer tipo de questão, veja as nossas dicas e aumente as suas chances de ser bem assessorado em um processo judicial

0

Com o processo de tramitação da Reforma da Previdência no Congresso, a questão da aposentadoria ficou confusa para muita gente. Por isso, é importante saber como contratar um advogado previdenciário para esclarecer as questões para você.

A razão é simples: as normas e leis previdenciárias já eram confusas antes. Agora, que ninguém sabe exatamente como a Reforma vai passar no Congresso, existe muita especulação e mal-entendidos.

O ideal é buscar orientação jurídica de um advogado especializado para garantir que o seu processo previdenciário correrá da melhor maneira possível.

Mas como fazer isso? É simples! Basta seguir as 6 dicas que listamos a seguir.

Advogado Previdenciario
Escolher bem um advogado previdenciário é essencial para o sucesso de uma causa judicial

1) Veja se você realmente precisa de um advogado previdenciário

Comecemos nossa lista de dicas pelo ponto principal: você realmente precisa de um advogado previdenciário para cuidar da sua aposentadoria?

Existem alguns casos em que o trabalhador não precisa contratar um advogado para entrar com seu pedido de aposentadoria,  podendo resolver tudo ele mesmo.

Claro que com a Reforma da Previdência 2019, a lei está em mudança e as informações podem ficar um pouco confusas, especialmente com emendas e alterações feitas por parlamentares. Nesse caso, se você está com dúvidas, é importante contatar um advogado pelo menos para esclarecer as suas questões.

Todavia, se você vai se aposentar antes da Reforma da Previdência entrar em vigor, é possível que você nem mesmo precise de um advogado previdenciário.

Existe uma maneira fácil de saber se esse é o seu caso. Entre no site do INSS e puxe o seu Extrato Previdenciário.

Este documento, também chamado de CNIS, é uma espécie de registro do seu trabalho perante o INSS. Ali estão seus dados trabalhistas, contribuições, processos, benefícios recebidos e todas as demais informações sobre seu período enquanto empregado.

De posse do documento, confira se está tudo em ordem e se não houve nenhum erro cometido por parte do INSS ou dos seus empregadores. Veja se as datas batem, se todas as obrigações foram recolhidas e se nada passou sem registro.

Se estiver tudo em condições e você já tenha cumprido os requisitos para a aposentadoria, pronto. Você mesmo pode iniciar o processo sem um advogado previdenciário para auxiliá-lo.

Mas atenção: esse é um caso raro. Sempre há alguma coisa errada para resolver. Portanto, se o seu CNIS não estiver correto, não se preocupe, basta seguir as dicas abaixo para resolver a situação.

2) Busque recomendações de outros advogados de confiança

É possível que você já conheça algum advogado ou tenha um profissional jurídico de confiança na sua família. Sendo assim, pode começar a levantar nomes para o seu caso pedindo por recomendações.

Não é incomum que advogados conheçam colegas ou já tenham ouvido falar de um profissional que é excelente em determinada área.

Por essa razão, um advogado sempre tem algumas recomendações para indicar a algumas pessoas (se não for a área de atuação dele, claro).

A parte útil em seguir essa dica é que você ficará com um grande leque de opções para a sua escolha. Assim, basta aplicar alguns filtros nos nomes citados para entender qual deles é o mais indicado para você.

3) Verifique se o advogado previdenciário é especialista

De posse de uma lista de nomes indicados por conhecidos ou outros advogados, é hora de começar a descobrir se esses profissionais são especialistas no assunto.

Busque informações sobre eles na Internet e veja se realmente se apresentam como especialistas em Previdência.

Mais do que a apresentação, todavia, é o conteúdo. Pesquise se o advogado em questão publica artigos sobre a Previdência em um blog pessoal, LinkedIn ou em publicações jurídicas.

Se sim, isso mostrará que ele realmente entende do assunto numa perspectiva teórica. Se não, talvez não seja o nome mais indicado para você.

4) Consulte o histórico de ações do advogado em questão

Depois de comprovar que o advogado é especialista em Previdência, é hora de conferir como ele tem se saído na sua prática profissional.

Busque pelo nome do advogado no Google ou em sites específicos, como o da OAB ou do TRF da sua região.

Assim, você terá acesso aos casos públicos em que ele trabalhou e poderá ver se ele foi bem-sucedido ou não nas questões previdenciárias em que advogou. Ou seja, saberá avaliar a reputação do advogado em questão.

Previdência Advogado
Conhecer bem o histórico do profissional ajuda na escolha de alguém confiável

5) Analise as perguntas que ele faz na primeira consulta

Se o advogado previdenciário passou pelo crivo da sua pesquisa prévia, é hora de conceder a ele uma primeira consulta. Todavia, não pense que o assunto acaba aí.

Durante a primeira consulta, fique atento às perguntas que o advogado fará. Se ele não quiser saber detalhes sobre a sua vida profissional, talvez o trabalho dele não seja do seu interesse.

A razão para isso é simples: na maior parte dos casos, não dá para avaliar a situação trabalhista de alguém em 10, 15, 20 minutos.

É necessário analisar documentos, esclarecer questões, entender de fato o que aconteceu para saber como proceder. Se em 10 minutos o advogado já está satisfeito e não quer saber mais sobre o seu caso, provavelmente não é um bom profissional.

Veja também se ele faz o cálculo da aposentadoria na sua frente, pois um advogado previdenciário deve fazer isso para seu cliente.

6) Confira se o advogado quer resolver a questão ou não

Pode parecer um absurdo (e é), mas é comum que alguns advogados segurem processos dos seus clientes na gaveta o máximo de tempo possível.

Ou pior: negligenciam recursos que poderiam agilizar a situação para que o processo se arraste por mais tempo.

Um desses recursos é o mandado de segurança. Com ele, o INSS fica judicialmente obrigado a cumprir os prazos do processo e precisa dar uma resposta (que pode ou não ser positiva) no período determinado.

Esse procedimento agiliza os casos previdenciários e pode fazer com que seu processo dure muito menos tempo.

Seguindo essas 6 dicas, você conseguirá escolher o melhor advogado previdenciário para resolver seu problema. Resumindo: a ideia é fazer um levantamento de nomes, checar a especialização e conhecimento técnico, verificar o histórico e a prática na primeira consulta.

Dessa forma, você garante que conseguirá o melhor advogado previdenciário possível para resolver o seu caso sem perder muito tempo. Assim, seu processo de aposentadoria não será uma experiência estressante.

O que achou da nossa lista de estratégias para escolher um bom advogado previdenciário? Deixe um comentário com a sua opinião a seguir!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação. AceitarMais Informações